ACID TREE

Após as turnês brasileira e europeia ao lado de Edu Falaschi e Aquiles Priester, dois EPs premiados e a abertura do Black Label Society, o trio de metal progressivo Acid Tree vem se estabelecendo como uma das bandas mais promissoras da cena brasileira.

Tudo começou em 2014, quando Acid Tree produziu sua primeira demo. A banda embarcou para a Suécia para masterizar o álbum com Mats Lindfors, no renomado Cuttingroom Studios. De volta ao Brasil, o trio tocou em mais de 50 shows, desde bares e festivais até casas de grande prestígio em São Paulo. Isso permitiu que a banda fosse conquistando seu espaço no cenário underground.

Em 2015, Acid Tree foi convidado para compor e produzir a trilha sonora de um espetáculo de dança chamado Koan. Tratava-se de uma hora de música original, misturando rock, música experimental e erudita. A peça foi apresentada no Grande Auditório do MASP, o museu de maior prestígio no Brasil, e teve ampla repercussão na grande mídia.

A demo obteve bons resultados na cena independente e começou a tocar em uma das maiores rádios de rock do Brasil, a Kiss FM. Por conta disso, a banda decidiu lançar a demo oficialmente em formato de EP – assim nasceu Arkan. O álbum foi lançado fisicamente com uma arte de capa nova, criada pelo artista sueco Niklas Sundin.

Com o sucesso de Arkan, Acid Tree foi convidado a sair em turnê ao lado de Edu Falaschi e Aquiles Priester na histórica Rebirth of Shadows Tour. Eles excursionaram por todo o Brasil, tocando em grandes casas em cidades como Belo Horizonte, Rio de janeiro e Brasília.

Após as turnê, o trio voltou para o estúdio para produzir seu primeiro álbum completo, mas foram novamente convidados para sair em turnê com Edu Falaschi, desta vez na Europa. Eles se apresentaram em casas tradicionais em cidades como Madri, Barcelona e Roma, sendo muito elogiados pela mídia especializada.

Por conta do cronograma da turnê, a banda decidiu laçar um EP em vez do álbum completo. Assim surgiu Awake the Iron. Novamente, a capa ficou a cargo de Niklas Sundin e desta vez a masterização foi feita pelo renomado produtor sueco Jens Bogren.

Awake the Iron foi muito bem recebido tanto pelo público como pela mídia especializada. Com apenas duas faixas, o álbum ganhou o 6º lugar no prêmio de “Melhores Lançamentos de 2018” pela revista Roadie Crew – o maior prêmio de metal nacional. A acústica So Sings the Crow está tendo excelente repercussão na rádio paulistana.

Com a ascensão do Acid Tree, esse ano a banda foi convidada para o maior evento desde sua fundação: abrir o Black Label Society no Tropical Butantã em São Paulo. O show lotado, com mais de 2.500 pessoas, foi novamente muito bem recebido tanto pelo público como pela mídia especializada.

A banda está em produção de seu primeiro álbum completo, que contará novamente com as participações de Niklas Sundin para a capa e Jens Bogren na masterização.

Ed Marsen

Guitarra / Vocal

Giorgio Karatchuk

Bateria

Mounir Sobh

Baixo